Quatro dicas importantes para ser criativo sob pressão

O dia a dia do mercado dos criativos é quase o mesmo dentro das agências ou empresas: entregas express “para ontem”, equipes pequenas demais para dar conta do recado e uma demanda altíssima. Vale lembrar que durante a vida profissional a pressão vai existir ao longo de toda a sua carreira, mas o que importa é como lidamos com ela.

Segundo pesquisa do Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da University College of London, na Inglaterra, o impacto das longas horas de trabalho sob estresse aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como infarto do coração e derrame cerebral. Dentro de um cenário que não favorece a saúde, conseguir produzir de forma criativa sob pressão é chave para conquistar bons resultados e viver de maneira mais leve.

Três professores dos nossos cursos listaram atitudes que vão ajudar você no dia a dia.

1- OPTE PELO QUE VOCÊ CONHECE MAIS

Se você tem pouco tempo para criar algo, a melhor saída é pensar numa solução mais prática. Por exemplo: não use uma técnica que demora muito. “Tente a mais rápida de resolver e que tenha um resultado tão bom quanto a mais elaborada”, conta Roger Bassetto, coordenador do curso de Iniciação à Arte & Design: Pre-Foundation

2- ENTENDA O QUE QUEREM

Pegue o briefing do cliente ou demanda da sua empresa e tente estabelecer tudo o que desejam de maneira clara. “Um problema bem definido já é meio caminho andado. Na vida de agência, às vezes o cliente não sabe expressar exatamente o que quer. Compreender e alinhar antes o que é pedido faz com que você economize tempo de um projeto com muitas refações”, explica Leopoldo Leal, professor do Foundation.

3- BOA TÉCNICA JUNTO COM O FOCO

“Um bom criativo precisa estar com a técnica afiada para otimizar prazos e processos. Também é importante ter foco, porque as pessoas estão cada vez mais seletivas, e tudo que é disperso interessa pouco”, entrega Chico Adelano, coordenador do curso de Direção de Criação Digital.

4- COLABORAÇÃO

Um ponto importante de um trabalho com alta demanda e entrega rápida: peça ajuda. “Ativar conexões e construir de forma colaborativa, mesmo com os "não criativos", que é uma coisa que o design thinking ajuda a resolver, inclusive lembrado que toda e qualquer pessoa é criativa”, finaliza Chico.

Interessado em estudar arte e design, audiovisual, games, animação e 3D? Venha para a EBAC!

- Cursos de graduação – Bacharelado Britânico

- Cursos de Especialização