Arte é para ver

A aula fora da sala de aula é uma parte importante dos programas da EBAC. O Research Week, por exemplo, é uma das atividades que integra a grade do Foundation Art and Design, o Ano Zero do Programa Britânico de Graduação da EBAC. Trata-se de uma semana de atividades externas para pesquisas individuais, em que os alunos visitam exposições, galerias de arte, produtoras e museus dentro e fora de São Paulo e tem a oportunidade de conversar com profissionais atuantes. Essas pesquisas individuais são incorporadas no projeto final que é apresentado a cada trimestre. “Aqui na EBAC a gente acredita que ensinar arte é através da prática e com pessoas que fazem arte”, comenta Cezar.

Na semana passada, o coordenador do curso de Preparação de Portfólio em arte e design e professor do Foundation Art and Design, Cezar Sperinde, levou os alunos para uma atividade muito especial, acompanhado da pesquisadora de arte contemporânea, Vivian Gandelsman, que dividiu com os alunos suas impressões e conhecimentos ao longo desses tours. Durante dois dias, ela acompanhou os estudantes a visitas em galerias de arte, de colecionadores privados importantes, além de uma visita guiada à exposição Djanira, no Museu de arte de São Paulo (Masp) com o curador-chefe do museu Tomás Toledo. Na visita, o curador-chefe explicou como o museu funciona quanto instituição, além de falar sobre sua experiência profissional como curador e como é trabalhar com curadoria.

slidermasp.jpg
visita ao MASP

Gandelsman é pesquisadora de arte e tem mais de 10 anos de experiência no circuito internacional de arte. Fundou plataformas inovadoras, como a Artload, iniciativa que visa mapear o mundo da arte contemporânea por meio de entrevistas exclusivas em vídeo, com participação de mais de 200 artistas renomados, curadores, críticos, galeristas, entre outras participações pra lá de especiais. No espaço Pivô, os alunos foram recebidos por Leandro Muniz, um dos curadores. Eles tiveram a oportunidade de conhecer as obras e de conversar com os artistas residentes. Já nas galerias Jaqueline Martins e Luciana Brito Galeria, os estudantes bateram um papo sobre como funciona uma galeria de arte comercial. E por fim, eles foram até o ateliê do artista plástico Henrique Oliveira. Para Cezar, é fundamental que os alunos visitem exposições, galerias, ateliês e museus para saber o que está sendo produzido. “Tem que ver arte em livro, em computador e em exposições. É fundamental essas visitas para que elas influenciem na prática de cada um”, finaliza.

fotor2.jpg
Ateliê do artista Henrique Oliveira

Saiba mais sobre nossos programas:

Preparação de Portfólio
Year Zero: Foundation Art and Design 
Foundation Computer Graphics
British Higher Education