‘Transpiração, inspiração’: como foi a apresentação da turma de Motion Design

Como acontece em todo final de curso, os alunos da EBAC que já estão concluindo os cursos apresentam seus projetos finais para professores e profissionais convidados. No final de 2018, o projeto dos alunos do curso de especialização em Motion Design era apresentar um filme de animação, de um minuto ou mais, que contemplasse todos os aspectos de qualidade e exigências de pré-produção, roteiro, visual, animação, montagem e áudio. 

"A ideia era que os alunos desenvolvessem um filme completo com todas as características e necessidades que encontrarão na indústria audiovisual e possam utilizá-lo como parte de um portfólio sólido e visualmente impactante", diz Cristian Cesar Cunha, um dos professores da turma.

Para contar com mais referências e linguagens para o projeto final, a turma conversou com professores convidados, especialistas em diferentes etapas da pré-produção, como roteiristas, tipógrafos, diretores de arte e animadores. Para muitos alunos, o maior desafio foi trabalhar todas as etapas do projeto, já que no dia a dia de uma agência ou produtora, cada profissional é responsável por uma parte da produção.

“O mais desafiador foi como materializar em imagens, uma narrativa subjetiva e abstrata, dar forma ao meu personagem e criar elementos para transmitir a ideia. E outro desafio foi a animação, propriamente, pois quando estamos criando, parece que já está tudo meio que pronto e animado em nossa mente, difícil é fazer mesmo e no prazo que estabelecemos. Vejo que é importante estabelecer as metas e cumpri-las, para sobrar mais tempo para animação”, conta a aluna Gabriela Maluf, 34.

“Como já trabalho como motion designer, normalmente meu desafio é pegar storyboards e desdobrá-los em filme, em conjunto com uma equipe. Pegar um projeto inteiro desde a elaboração da ideia e roteiro foi extremamente desafiador, principalmente para estimar cronogramas para as atividades”, diz Guilherme Diniz, 27, aluno e freelancer em motion design.

De Prima por Guilherme Diniz

Para ambos, ter profissionais do mercado avaliando os trabalhos foi parte importante do curso. “Durante os dois anos de curso conheci muitas pessoas do mercado com as visitas que a escola demandou em produtoras e fiz amizades valiosíssimas. Não consigo nem estimar o valor disso”, comenta Guilherme.Gabriela diz que os avaliadores “aumentam o peso e a responsabilidade do projeto, além de servirem também como o início do nosso portfólio”.

Alexandre Eschenbach, concept artist e coordenador 3D na Vetor Zero, foi um dos avaliadores convidados. “Fiquei impressionado com as apresentações dos trabalhos finais da turma, tanto pela tranquilidade como pelo conteúdo. Foram projetos ousados, bem executados e praticamente todos estavam conscientes dos pontos mais fracos de cada projeto e o que poderiam melhorar”. 

“CRIATIVOS SÃO 90% TRANSPIRAÇÃO, 10% INSPIRAÇÃO”

         
Cristian acompanhou de perto alguns trabalhos e diz que o processo até a apresentação não foi fácil. “É normal quando se trata de desenvolvimento de produtos que tem a criação como principal elemento. Aquela famosa frase que os trabalhos criativos são 90% transpiração e 10% inspiração, são uma máxima verdadeira e os alunos da EBAC são levados ao seu limite para compreenderem que têm a capacidade de desenvolverem sempre melhor”, comenta ele.

"Tivemos total liberdade criativa. Nós criativos, temos muitas ideias, porém muitas vezes temos a dificuldade em organizar isso, e foi neste ponto que vejo que o auxílio dos professores foi fundamental", diz Fernando Mielli, publicitário e também aluno da turma. 

Keep the Flame por Fernando Miell

“Considero que cada um teve destaque em pontos distintos. Por exemplo, o trabalho da Gabriela tem uma direção de arte lindíssima; o roteiro criado pelo Mielli foi baseado em fatos reais e muito dramático; a animação do Guilherme foi dinâmica e bem estilizada; já o Rodrigo ousou em criar uma animação inteiramente em 3D”, avalia Cristian.

O apoio dos professores da EBAC, não só durante as aulas, também foi um diferencial reconhecido pelos alunos. “Tínhamos 6 meses para planejar tudo até a apresentação e foi bem corrido. Durante o processo estávamos sempre bem amparados pelos professos, tirando nossas dúvidas, nos ajudando mesmo fora do horário de aula até nos finais de semana”, diz o aluno Rodrigo Bispo. “Visitamos estúdios, conhecemos os maiores profissionais da área, e aproveitei o máximo que pude. Realmente sai melhor profissionalmente após o curso”, diz Mielli.

***

Já estamos com matrículas abertas para os alunos da turma de 2019 do curso de Motion Design. Quer saber mais sobre o programa e todas as possibilidades que ele oferece. Clique e confira.